domingo, 4 de setembro de 2011

Bronislawa Wajs ("Papusza"):POETISA,CANTORA,COMPOSITORA, CIGANA




Bronislawa Wajs ("Papusza")  (1908 ou 1910-1987)também conhecida como Papusza, a palavra Romani de "boneca", era uma criança incomum. Ela aprendeu a ler e escrever, roubando galinhas de aldeias polonesas! Ela trazia as aves para os habitantes alfabetizados em troca de aulas e livros, que ela mantinha bem escondidos (mulher cigana não podia aprender a ler ,muito menos escrever...).Às vezes encontrava seus livros rasgados ,seus cadernos destruídos,seu lápis quebrado... No verão de 1949,o poeta polonês  Jerzy Ficowski ouviu Papusza por acaso,quando ela cantava suas canções e, reconhecendo seu talento, pediu a ela para escrevê-las para que ele pudesse publicá-las. A canção "Tears of Blood", “Llágrimas de Sangue”juntamente com várias outras, foi publicado por Ficowski no início dos anos 1950 em um livro chamado “  Canções de Papusza “. Em Lágrimas de Sangue (Sendo cigana sofreu sob o poder dos alemães em 1943-1944) ela conta:" Num bosque,sem água, sem fogo ,sem alimentos. Onde poderiam dormir  as crianças se não haviam tendas? Não podiamos acender o fogo durante a noite e nem de dia, a fumaça alertaria os alemães. Como viver com as crianças no frio do inverno? Todos estavam  descalços ...Eles queriam matar-nos,mas primeiro eles forçaram-nos a trabalhar pesado. Um alemão veio nos ver. “- Tenho más notícias para vocês. Eles querem matá-los esta noite. Não digam a ninguém. Eu também sou um cigano, de seu sangue - um verdadeiro.Vou pedir para Deus ajudá-los...... Tendo dito estas palavras, ele abraçou a todos nós ... Por dois, três dias ficamos sem comida. Todos iam dormir com fome. Incapazes  de dormir,  olhávamos  as estrelas ... Deus, como é belo viver... Ah, você, minha pequena estrela! Ao amanhecer você é grande! Cega os alemães! Confunde-os, faz com que se percam, para que a criança judia e a criança cigana possam viver!..."
Papusza casou aos 15 anos com um harpista(Dionizy Wajs),um músico muito mais velho que ela,sendo infeliz no casamento,transformando suas tristezas em poemas e canções.Por culpa de um mal-entendido   foi considerada  traidora pelos ciganos, por ter entregado seus escritos a Ficowski que os publicou numa revista literária "PROBLEMY, "de fundo político  e que defendia o sedentarismo obrigatório,uma questão política imposta ao povo cigano(fixarem-se num único local).Ficowzky usou as poesias  para influenciar políticas de sedentarismo cigano,e Papusza  acabou sendo envolvida nesse movimento político,sem saber. Como entre seus poemas,alguns falavam do anseio de retornar à casa,Ficowzky supôs que ela desejasse se sedentarizar,entretanto,a palavra que ela usara "NOSTOS"(do grego significando retorno à casa)era um tema muito usado nos poemas romanis com o significado de voltar para a estrada aberta,viajar. Numa Kris ,os mais velhos do seu clã a consideraram traidora e"marimê"e,ela  foi banida do meio de sua gente para sempre. Esta expulsão a fez sofrer de tal maneira, que ela esteve hospitalizada por 8 meses num hospital psiquiátrico. Pelos restantes 34 anos de sua vida continuou escrevendo suas poesias e canções  até o fim .Faleceu em 1987, esquecida por 
todos.Posteriormente,foi considerada uma das maiores poetisas da Polônia e do mundo,mas até hoje,não se fez justiça em relação a ela no meio cigano.




COMO EL ÁGUA..

Oh, Señor,adonde debo ir?



Que puedo hacer?

.Donde puedo hallar

leyendas y canciones?

No voy hacia el bosque,

ya no encuentro ríos.

!Oh bosque, padre mio,

mi negro padre!

El tiempo de los gitanos errantes

paso ya hace mucho. Pero yo les veo,

son alegres,

fuertes y claros como el agua.

La oyes

correr

cuando quiere hablar.

Pero la pobre no tiene palabras…

… el agua no mira atrás.

Huye, corre, lejos, allá

donde ya nadie la vera

Nadie me comprende,

solo el bosque y el río.

Aquello de lo que yo hablo

ha pasado todo ya, todo,

y todas las cosas se han ido con ello…

Y aquellos años de juventud.



Papusza no centro da fotografia;seu marido sentado à sua esquerda. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário