terça-feira, 13 de dezembro de 2011

EMILY DICKINSON : Poesia e solidão...


" Pra se fazer uma campina é só um trevo e única abelha.
   Único trevo e uma abelha
   e a Fantasia.
A Fantasia basta 
se a abelha se afasta..."
                                  EMILY DIKINSON



EMILY DICKINSON nasceu em Amherst ,perto de Boston,Massachusettts ,em 10 de dezembro de 1830. Sua vida tranquila foi infundido com uma energia criativa que produziu quase 1800 poemas e uma profusão de letras vibrantes.
Sua animada infância e juventude estavam cheias de escolaridade, leitura, exploração da natureza, atividades religiosas, amizades significativas e vários encontros- chave com  a poesia. Sua mais intensa atividade  poética foi nos anos da década de seus 20 a 30 anos; durante esse tempo ela compôs quase 1.100 poemas. Ela fez algumas tentativas para publicar seu trabalho, optando por compartilhá-los em particular com a família e amigos.Nos anos seguintes Dickinson cada vez mais se retirou da vida pública. Seu jardim, sua família (especialmente a família de seu irmão ) , amigos próximos, e as preocupações com a saúde  lhe ocuparam o tempo.Dizem que teve uma paixão secreta e platônica por um homem casado , mas,ela própria jamais se casou.Continuou ao longo dos anos,cuidando de suas amadas flores,fazendo deliciosas geléias para presentear  seus amigos e parentes e escrevendo poesias em pedaços de papel e livros de receitas...Com poucas exceções, sua poesia permaneceu praticamente inédita até depois que ela morreu em 15 de maio de 1886. Após sua morte, seus poemas e história de vida foram trazidas à atenção do resto do mundo através dos esforços  de familiares e amigos íntimos.                      Em 1955, o crítico e biógrafo Thomas H. Johnson reuniu numa edição definitiva todos os seus 1.775 poemas. Daí em diante a obra de Emily Dickinson passou a ser reverenciada por uma crescente legião de críticos e leitores exigentes. Sua escrita poética, ambígua, irônica, fragmentada, aberta a várias possibilidades de interpretação, antecipa, sob muitos aspectos, os movimentos modernistas que se sucederiam depois de sua morte. Essa instigante poesia, nascida na solidão e no anonimato mas impregnada dos mais profundos valores humanos, dá hoje a Emily Dickinson um merecido e imorredouro lugar no cânon literário universal.

CASA DA POETISA EM AMHERST, MASSACHUSETTS,Estados Unidos da América.




Ela fazia álbuns de flores secas...
Emily Dickinson's Herbarium, digital facsimile. By permission of the Houghton Library, Harvard University; A facsimile edition of Emily Dickinson's Herbarium is available from Harvard University; MS Am 1118.11

Amava as flores e os passarinhos...





RECRIAÇÃO DO JARDIM DA POETISA DO SÉCULO XIX


Emily adorava fazer deliciosas geléias e presentear seus amigos...





Geléia de maçãs e morangos
1 kg de morangos frescos limpos,500 gr de maçãs passadas no processador deve ficar em pedaços pequenos,leve ao fogo rapidamente, 1200 kg de açúcar,10 colheres (sopa) de suco de limão espremido na hora.Passe os morangos e maçãs no processador e coloque-os numa panela de fundo grosso.Adicione o açúcar e o suco de limão. Leve ao panela ao fogo baixo até que o açúcar se dissolva. Aumente o fogo, deixe cozinhando, mexa frequentemente, até que a geléia ferva e tenha consistência.Transfira a geléia para potes esterelizados, deixando um espaço entre a tampa de 1 centímetro. Tampe os potes. Mantenha na geladeira.


Extraído de:Wikipédia,e outros sites biográficos.
Imagens do Google.

Um comentário:

  1. Querida, que maravilha, tanto a história quanto a receita, pois é assim que fazemos também, só que em tachos (vc sabe disso). Tudo lindo, um belo presente, adoro ganhar essas coisas, recheadas de sentimento.

    bjs de todas nós

    ResponderExcluir